História
Da fundação à atualidade

A História da UD Leiria

uleiria-historia-slide
udl-7475
udl-7374
udleiria-6970

A União Desportiva de Leiria foi fundada em 1966 para proporcionar aos adeptos leirienses uma equipa de futebol digna do que já era então considerado um dos melhores estádios do país.

O Clube passou na sua história por muitos períodos de glória e por alguns outros de grande instabilidade. Neste momento, passados quase cinquenta anos da sua fundação, encontra-se numa fase de recuperação do lugar que, com todo o mérito, já foi seu.

Entretanto, o Clube, proporciona aos leirienses a prática de quatro modalidades: o futebol, com equipas de formação de mais de 300 atletas, o bilhar, o basquetebol e o futebol praia.

Os resultados desportivos colocam a União Desportiva de Leiria, de um modo persistente, no topo do futebol jovem em Portugal. Um reflexo do trabalho realizado na Academia de Futebol Juvenil do clube, sita em Santa Eufémia – Leiria, onde sucessivas gerações de futebolistas vão sendo formadas com o êxito que se reconhece.

União Desportiva de Leiria olha hoje com orgulho para muitos momentos do seu passado e segue na busca de um futuro de acordo com os desígnios dos seus fundadores.

Saiba mais sobre a história do clube que um dia já teve José Mourinho ao leme. Navegue pela cronologia dos momentos mais marcantes da história do Clube.

História da UD Leiria

Cronologia

6 de junho de 1966
Fundação da U. Leiria
Foi em plena Primavera de 1966 que um grupo de funcionários do então Banco Nacional Ultramarino tomou a iniciativa de formar uma coletividade que, no campo desportivo, pudesse representar Leiria com aquela dignidade, que não só o nome da cidade como até as suas instalações desportivas impunham.

Nesse sentido, foram encetados contactos com os clubes da cidade que, mais recentemente, tinham disputado o campeonato distrital de futebol: o Sporting Clube Leiriense, o Grupo de Futebol Coliponense, o Ateneu Desportivo de Leiria e o Sport Clube Leiria e Marrazes.

As conversações não tiveram o êxito esperado pois apenas o Sporting Leiriense tomou a decisão de se extinguir e de integrar o novo clube. O Coliponense, com uma atividade praticamente inexistente, o Ateneu, abdicando definitivamente do futebol, e o Leiria e Marrazes, apresentando algumas condições que foram recusadas pela comissão organizadora, acabaram por não aderir ao projeto. E assim, a 6 de junho de 1966, data da aprovação dos estatutos pelas entidades governamentais, nasceu oficialmente a União Desportiva de Leiria, agremiação desportiva com cerca de mil sócios fundadores.
6 de junho de 1966
6 de junho de 1966
A primeira direção
A primeira direção seria presidida por Fernando Pais de Almeida e Silva, personalidade de grande influência nos meios políticos e desportivos de então, contando ainda com Carlos dos Santos Pimenta, figura ligada a anteriores tentativas de afirmação do futebol na cidade, que viria a ser autor dos primeiros estatutos e dirigente de grande destaque na história do clube, e com Jaime da Encarnação Trindade Lopes, fundamental dinamizador de todo o processo. Neste primeiro sufrágio, realizado a 24 de junho no recentemente inaugurado Cine-Teatro José Lúcio da Silva, foi eleito para presidente da assembleia geral, Bernardo de Jesus das Neves Pimenta, então presidente da Câmara Municipal de Leiria, elemento decisivo no sucesso do projeto de criação do novo clube, não só pelo cargo que desempenhava mas também pelo prestígio que angariara como praticante da modalidade.
6 de junho de 1966
19 de março de 1967
A primeira equipa
A época de 1966/67 foi logo a primeira em que a coletividade esteve em ação. A estreia aconteceu, com um empate a dois golos, num jogo particular realizado com o Atlético Clube Marinhense, o grande rival do União de Leiria nos tempos que se seguiram.

A equipa foi orientada pelo treinador-jogador António da Cruz Pinto Saraiva, campeão europeu pelo Sport Lisboa e Benfica. O plantel era composto por Familiar, Rousseau, Vitalino, Carlos Pinho, Lello, Graça, Veloso, Marciano, Virgílio, Fernando “Pinto”, Encarnação, Ramiro, França, Cardoso, Neto, Manuel Pinho, Raúl Ferreira, Fernando Valentim, Alexandre, Manuel Jorge, Barreto, Fernando Loureiro e Manuel Ferreira.

Nesta primeira temporada, o União conseguiu o segundo lugar no campeonato distrital, imediatamente a seguir ao Marinhense, e um brilhante primeiro lugar na fase de grupos do campeonato nacional da terceira divisão. A subida à segunda divisão nacional falhou apenas por muito pouco, quando não foi possível ultrapassar a decisiva eliminatória final.
19 de março de 1967
11 de novembro de 1971
O início do Futebol Juvenil
Fiel ao princípio de que todos os clubes devem manter em ação as categorias mais jovens, a União Desportiva de Leiria, nessa época inicial, não podia alhear-se de tal facto e assegurou desde logo a colaboração de João Fernando Rodrigues Peres, treinador de reconhecida competência nessa área que acabaria por ficar indelevelmente ligado a sucessivas gerações de jogadores.

E assim, a equipa de juvenis nasceu igualmente com o clube, ficando para história os nomes de Afonso, Álvaro Moita, Augusto, Bandeira, Brites, Carlos Alberto, Caseiro, Claudino, Costa Ferreira, Crispim, Cunha, Dídaco, Ervilha, ”Fred“, Godinho, Mário, Paulo, Portela, Quinta Lopes e Rui Curto.

O escalão de juniores surgiu apenas um ano mais tarde, o de iniciados em 1973/74 e, finalmente, os infantis dez épocas depois destes.

Entretanto, foi a 11 de novembro de 1971 que aconteceu a primeira internacionalização de um atleta do União de Leiria. Carlos Manuel Lopes do Espírito Santo, jogador formado no clube a partir de 1968/69, jogou pela seleção nacional júnior contra a equipa representativa da Suiça.
11 de novembro de 1971
Maio de 1970
A caminho da II Divisão Nacional
Na sua segunda época de existência, 1967/68, o clube conquistou pela primeira vez o título de campeão distrital, novamente com a consequente disputa, na mesma temporada, da terceira divisão nacional. A ambicionada promoção, mais uma vez, não foi atingida mas, pelo menos, ficou garantida a participação na época seguinte no renovado modelo estabelecido para o terceiro escalão nacional.

Nas duas temporadas seguintes em que disputou o novo campeonato da terceira divisão nacional, o União de Leiria manteve-se sempre nos primeiros lugares da classificação, mas só na segunda delas, em 1969/70, conseguiu assegurar a subida à segunda divisão nacional, então já sob a orientação do técnico espanhol Miguel Bertral e com uma direção presidida por Alfredo de Sousa Brandão.

Na cidade, a festa foi enorme, ficando na memória dos adeptos a equipa ainda constituída por Familiar e Graça, mas já acompanhados por Brás, Diamantino, Pinto de Sousa, Ribeiro, Óscar, Delfim, Afonso, Pinto, Ruas, Florival, José da Silva, Arsénio, Bártolo, Adriano e Nélito.

A União Desportiva de Leiria atingia assim o escalão secundário onde viria a pontificar nos nove anos seguintes, até 1978/79, ganhando o estatuto de equipa temível, pelo excelente futebol que praticava.
Maio de 1970
1974
O aparecimento do andebol
Tal como acontecera para o futebol, é a existência de boas instalações para a prática da modalidade que faz surgir o andebol no clube, em 1974.

A União de Leiria inscreve-se pela primeira vez no campeonato distrital de seniores e o êxito é imediato. Da equipa que conquistou esse primeiro título faziam parte os atletas Alexandre Palmeira, Carlos Barreto, Carlos Estevães, Fernando Amoroso, José Pissarra, José Sebastião, Luís Pardal, Mané Malhoa, Manuel “Lelo”, Pedro Afra, Rente, e Teodoro.

A partir daí, rapidamente, o clube criou um número crescente de equipas, participando de um modo decisivo na expansão da modalidade no distrito. Os títulos foram surgindo com regularidade nos diversos escalões, quer em masculinos, quer em femininos, mas o que ficou de mais importante foi a grande ligação que se estabeleceu a partir daí entre muitos jovens leirienses e o clube.
1974
1978
Ascensão à 1ª Divisão Nacional
Na sequência de prometedoras prestações no campeonato nacional da segunda divisão, o União acabou por conseguir em 1978/79 aquilo que pretendia: a subida ao escalão maior do futebol português. Mais uma vez, a festa transbordou do estádio para a cidade e para a região. José Mourinho Félix foi o técnico vitorioso de uma acesa disputa com o União de Lamas. Na equipa que conseguiu mais este feito para o clube, brilharam então Dinis, Figueiredo, Delfim, Espírito Santo, Tomé, Araújo, Álvaro, Nando, Pereira, Paixão, Paiva, Orlando, Leitão, Germano, Vítor Amaral, Ferro, Trindade, José Luís e Rosário.

A primeira participação da União de Leiria no campeonato nacional da primeira divisão aconteceu então em 1979/80, estreando-se com uma derrota na Póvoa do Varzim (2-4), a 26 de agosto, e uma vitória caseira frente ao Boavista (3-1), a 2 de setembro. Infelizmente, a descida nessa temporada foi inevitável, mas, no ano seguinte, sagrando-se campeão nacional da segunda divisão, o clube ainda voltaria ao escalão maior. Dirigidos pelo técnico Manuel Pedro Gomes, estiveram outra vez nesse êxito os jogadores Dinis, Germano, Araújo, Espírito Santo, Paixão e Tomé, acompanhados pelos reforços Freitas, Nascimento, Varela, Vítor Manuel, N’Habola, Pereirinha, Miguel, Carlos Alberto, Cremildo, Álvaro, Padrão, Nelson Moutinho, Arnaldo José e Vítor Pontes.

Mas ainda não seria desta que o clube se afirmaria no escalão maior. No final da época de 1981/82, foi o despertar para dura realidade: o regresso à divisão inferior era acompanhado de uma crise diretiva sem precedentes.
1978
1989
Anos de mudança
Durante as épocas seguintes, a União Desportiva de Leiria, passando por alguns sobressaltos classificativos e crescentes dificuldades financeiras, permaneceria na segunda divisão nacional.

Até que, em 1989, algo mudou. Candidata-se a presidente da direção e é eleito um seu antigo sócio fundador, João Alberto Amado Bartolomeu. Começou desde logo um período de recuperação do estatuto que o clube tinha perdido e assim, em 1994, a União de Leiria, conseguindo ultrapassar todas as barreiras que lhe surgiram no percurso, conquistou o segundo lugar no então já chamado Campeonato Nacional da 2ª divisão de honra e assegurou a subida de escalão, iniciando aí um período de quase duas décadas no topo do futebol nacional.
1989
De 1995 a 2003
A afirmação
Foi promissora a reentrada no clube na competição maior do futebol português. Nessa época de 1994/95, o brilhante sexto lugar conseguido com o treinador Vítor Manuel justificou desde logo o início da aventura europeia que se seguiu: a disputa da Taça Intertoto.

Defrontando as equipas do Heerenveen (Holanda), Naestved (Dinamarca), Tom Pentre (País de Gales) e Bekescsaba (Hungria), o clube terminou o seu grupo sem derrotas, falhando o apuramento para a fase seguinte por muito pouco. A estreia aconteceu contra o clube húngaro, a 24 de junho de 1995, ficando para a história o empate a dois golos e a participação nesse jogo de Ferreira, Hugo Barbeiro, Crespo, João Armando, Paulito, Nuno Alexandre, Michael Kimmel, Telmo Pinto, Frederico, Pinha, Bambo, Moisés e Ricardo Machado.

Terminada esta primeira experiência, o União continuou o seu percurso na primeira divisão nacional, só interrompido na época de 1997/98 em que, numa fugaz descida ao segundo escalão, obteve um novo regresso abrilhantado com a conquista de mais um título de campeão nacional.

A partir daí, o União de Leiria fixou-se durante uma década no primeiro nível do futebol português. A melhor classificação alcançada foi o 5.º lugar das épocas de 2000/01, à frente do poderoso Benfica, e de 2002/03, com equipas orientadas, respetivamente, por Manuel José e Manuel Cajuda.

Seria na última destas duas temporadas que a União Desportiva de Leiria passaria pelo momento mais alto da sua história. Após o quase sucesso de 1995/96 e de 1997/98 em que o clube havia baqueado apenas nas meias-finais da Taça de Portugal, foi finalmente atingida a ambicionada final no estádio do Jamor. Nesse inesquecível jogo de 15 de junho de 2003, a equipa de Manuel Cajuda, após excelente exibição, acabou derrotada pelo F.C. Porto de José Mourinho apenas por 1-0.

A prestação de Helton, Bilro, Gabriel, Renato, Edson, Paulo Gomes, Fernando Aguiar, Silas, João Manuel, Leão, Maciel, Alhandra, Douala e Márcio Mexirica encheu de orgulho os adeptos leirienses.
De 1995 a 2003
De 2004 a 2008
Na Europa
No início da época de 2002/03, o União recomeçou a sua participação nas competições europeias, de novo na Taça Intertoto, com uma eliminação inglória por utilização irregular de um jogador, que se sobrepôs às duas vitórias conseguidas no terreno de jogo.

Mas, na época seguinte, fruto da presença na final da Taça de Portugal, a equipa estreou-se na Taça U.E.F.A., despachando o Coleraine (Irlanda do Norte) na pré-eliminatória e saindo eliminada na primeira ronda pelo Molde (Noruega).

Na campanha do verão de 2004, num regresso à Taça Intertoto, com Vítor Pontes ao leme, depois de ultrapassados Shinnick Yaroslav (Rússia) e Genk (Bélgica), o União de Leiria seria derrotado pelo Lille (França) numa das finais da competição que só se decidiu no prolongamento do jogo da segunda mão.

No ano seguinte, a presença na Taça Intertoto repetiu-se, mas o fortíssimo Hamburgo (Alemanha) não se deixou ultrapassar.

Seria na temporada de 2007/2008 que o União, sob o comando de Paulo Duarte, concluiria esta sua participação europeia, atingindo o total de vinte e quatro jogos. Desta vez, afastou o Hajduk Kula (Sérvia) na segunda eliminatória da Taça Intertoto e o Maccabi Netanya (Israel) na pré-eliminatória da Taça UEFA., saindo honrosamente derrotado pelo Bayer Leverkusen (Alemanha) numa primeira ronda desta competição europeia renhidamente disputada.
De 2004 a 2008
2011/12
As dificuldades
Mas todo o esforço desenvolvido com a participação nas competições europeias, obrigando a atribulados começos de época, acabou por se refletir no desempenho da equipa. A descida à então já chamada segunda liga aconteceu no final dessa época de 2007/08.

Na época que se seguiu, após um desanimador começo, a equipa reergueu-se com o carismático treinador Manuel Fernandes e, acompanhada pelo entusiasmo crescente dos adeptos, acabou por assegurar o regresso ao escalão maior.

Mas, se nas duas temporadas seguintes, o clube ainda conseguiu manter o nível a que habituara os leirienses, com o início da época de 2011/12, ao acentuarem-se as divergências entre a SAD, gerida por João Bartolomeu, e a empresa gestora do estádio municipal, o consequente afastamento dos órgãos autárquicos e dos leirienses veio criar condições para aquilo que viria a acontecer na primavera de 2012: o campeonato da primeira liga foi concluído penosamente pela equipa, no último lugar.

Por decisão da Liga, o afastamento compulsivo das competições profissionais veio logo de seguida.
2011/12
De 2003 a 2013
A criação da SAD
A meio deste percurso de grandes êxitos desportivos, o clube decidiu aproveitar a nova legislação aprovada para regular o desporto profissional para criar a sua sociedade anónima desportiva.

Após um período em que foram levantadas dúvidas relativamente ao início de todo o processo, a União de Leiria – Futebol, SAD, a partir da época de 2000/01, passou a ser a legítima representante do clube nas competições profissionais.

Sob a presidência de João Bartolomeu e a participação de investidores de referência como a Média Capital e o Grupo Lena, a S.A.D. leiriense viveu então um período de bons resultados desportivos e de razoável equilíbrio financeiro.

O final do projeto, a 28 de junho de 2013, com a definitiva decisão de liquidação da sociedade pelos credores.
De 2003 a 2013
De 2008 a 2012
Outras modalidades
Mas o União não podia ter crescido sem a adesão da população leiriense. E essa ligação só poderia acontecer se o clube não se limitasse ao futebol sénior. Depois da aposta no futebol de formação, que se mantém até à atualidade, da bem sucedida adesão ao andebol que, apesar de alguns percalços, durou cerca de trinta anos, foi a vez de, em 2004, surgir o futsal.

Tendo como principal figura dinamizadora o dirigente Carlos Serra, esta variante de futebol impôs-se regionalmente, acabando por atingir os campeonatos nacionais em 2008. O número de equipas e de jogadores foi crescendo mas, repentina e precipitadamente, tudo acabou com a convulsão por que passou o clube em 2012.
De 2008 a 2012
Novembro de 2007
A Academia de Futebol UD Leiria
A União de Leiria sempre manteve uma assinalável presença nas competições de futebol das camadas jovens.

Desde 1966, sucessivas gerações de jovens leirienses foram passando pelo vulgarmente conhecido como Campo de Treinos do estádio municipal. Mas, com a reformulação desta infraestrutura para o Euro-2004, desapareceram as instalações usadas pelo departamento de futebol juvenil, durante quase quarenta anos.

A solução provisória, então encontrada, de utilização de um campo pelado na freguesia vizinha de Santa Eufémia, acabou por passar a definitiva. O esforço e a dedicação de um grupo liderado pelo dirigente Fernando Encarnação fez nascer, em Novembro de 2007, a Academia de Futebol Juvenil da União Desportiva de Leiria.

Foi aí que, numa atividade diária sucessivamente aprimorada, se foram formando os melhores futebolistas da região. Não sendo o mais importante, os resultados desportivos obtidos, com uma permanência persistente no grupo dos maiores clubes nacionais, atestam a validade do trabalho desenvolvido.
Novembro de 2007
Julho de 2012
Ressurgimento de Futebol Sénior
A crise de 2012, com o consequente divórcio entre a União Desportiva de Leiria e a sua S.A.D. à beira da extinção, levou os dirigentes a procurar uma alternativa que evitasse o previsível desaparecimento do clube.

Assim, na nova temporada de 2012/13, enquanto a Sociedade que ainda transportava o nome de União de Leiria se fazia representar na última edição do campeonato nacional da segunda divisão B, o clube inscrevia-se na Associação de Futebol de Leiria para disputar a divisão inferior dos campeonatos regionais.

E assim, numa época em que foi claro o abandono a que os adeptos leirienses votaram a sua equipa profissional, o clube obteve, passados quase cinquenta anos, o seu segundo título de campeão distrital.

A extinção definitiva da SAD, com o desaparecimento da possibilidade de participar em competições, acabou então por permitir a aquisição dos respetivos direitos desportivos pelo clube, passando este integrar, a partir da época de 2013/14, o novo Campeonato Nacional de Seniores.
Julho de 2012
Junho de 2015
Uma nova SAD
Em 2015/16 a União Desportiva de Leiria cria uma nova SAD, que é assumida por Alexander Tolstikov.

A equipa unionista iria disputar por quatro anos consecutivos a Fase de Subida à 2ª Liga, sem nunca ter conhecido o "sabor" da subida de divisão.

Para a história ficam dois jogos memoráveis pela negativa: Dado o formato do Campeonato de Portugal, disputado numa 1ª Fase e depois numa fase a eliminar, a UD Leiria acabou eliminada na meia final pelo CD Mafra, em 2017/18, sem nunca ter sofrido uma derrota nessa temporada. Dois empates (0-0 e 1-1) ditaram a eliminação, e a passagem do CD Mafra à final e consequente subida de divisão.

No ano seguinte, a UD Leiria iria chegar novamente à meia final, frente à UD Vilafranquense, onde perderia nas grandes penalidades (1-1 nos dois jogos e 5-4 nas grandes penalidades).

Em 2019/20 a UD Leiria termina num dos piores lugares classificativos (12º lugar) e a SAD presidida por Alexander Tolstikov é vendida no ano seguinte.
Junho de 2015
Outubro de 2020
Um novo rumo
A 4 de outubro de 2020, os associados da União Desportiva de Leiria, em assembleia geral, aprovaram a entrada de novo investidor na SAD, que é agora presidida por Armando Marques.

Em 2020/21 a UD Leiria terminou o Campeonato de Portugal com a subida à nova Liga 3, e chegou à Fase de Acesso à Liga 2, onde terminou no 4º lugar, atrás de CF Estrela da Amadora, SCU Torreense e Vitória FC.
Outubro de 2020